O PEDAGOGO EM SEUS PROCESSOS FORMATIVOS: ANÁLISE DA TEORIA E PRÁTICA

Jonathan Machado Domingues, Danielle Batista Cardoso

Resumo


Este trabalho discorre sobre a experiência de um estágio realizado na EJA, num estágio do Curso de Pedagogia, do Campus Universitário de Sinop- MT. A intervenção pedagógica realizada em sala de aula com os alunos resultou em uma aprendizagem  mutua por parte do educador em formação e do educando envolvido no processo. Do campo empírico, objetivou-se potencializar a aprendizagem da escrita e da leitura, trabalhando de forma interdisciplinar. Evidenciou nesse processo a importância do diálogo entre professor e aluno, possibilitando estabelecer relações interpessoais. Elencou-se também a compreensão da linguagem matemática, o desenvolvimento da oralidade, raciocínio lógico, que mediou à construção de novos saberes, tendo por base os conhecimentos obtidos pelos alunos em seu cotidiano. Por meio de atividades planejadas juntamente com a professora regente e os demais colegas envolvidos no estágio, trabalharam-se as práticas e saberes, referente aos conteúdos, do primeiro e segundo ano do ensino fundamental. Nesse contexto o cerne da prática pedagógica, foi orientado pelo ensino, por meio de práticas, no âmbito da sala de aula, pois foram realizadas atividades empíricas, promovendo uma interação de forma satisfatória. No contexto do processo ensino\aprendizagem, mediado e construído com os alunos, a capacidade da produção crítica-reflexiva, a partir de suas leituras. De forma concomitante elenca-se o conhecimento imaginativo e criativo dos alunos. Durante a realização do estágio procuramos sensibilizar os alunos pelo gosto pela leitura, para que eles ampliem o seu conhecimento de mundo. Os pressupostos metodológicos que orientaram a prática docente produziram novas experiências e vivências no contexto escolar, no qual possibilitou ao educador em formação e a professora regente de sala compartilhar e construírem novos conhecimentos. A relação concreta que ocorre na aprendizagem produz novos saberes aos sujeitos envolvidos nas atividades. Sendo assim os mesmos, estabeleceram relações entre o conhecimento obtido e suas práticas de vida. Embora o estágio seja realizado em pouco tempo, impossibilitando vivenciar a escola em sua totalidade cotidiana, ele foi uma etapa importante por poder compreender e apreender a relação teórica e prática por meio do diálogo. Temos necessidade de empreender ações capazes de, nas brechas da formalidade de uma escola tecnicista e opressora, promover o tempo e o espaço como qualificação da vida e da dignificação dela. A escola é mais do que uma instituição de ensino, ela veicula sínteses históricas necessárias, necessitando irromper um novo sujeito da educação. O que constitui a práxis educativa neste processo é a capacidade de refletirmos uma ação transformadora, visando um ensino com caráter qualitativo.


Referências


ALARCÃO, Isabel e TAVARES, José. Supervisão da prática pedagógica: uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. 2a edição. Coimbra: Almedina,2003.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil/Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. - Brasília: MEC/SEF, 1998, volume: 1 e 2.

_______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO: Secretária de Educação Fundamental. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Brasília, 1997

CAGLIARI, Gladis Massini. Diante das letras: a escrita na alfabetização. Campinas, SP: Mercado de Letras: ALB; São Paulo, 1999. P217-226.

CUNHA, M. A. A. Literatura e educação. In: Literatura infantil: teoria e prática. 16a ed. São Paulo: Ática, 1997.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991.

DOMINGUES, J. M.. Devir-criança e seu significado da educação na infância. In: V Seminário Internacional de Pesquisa com o tema: dimensões da privatização na Educação Básica, 2017, Ribeirão Preto. Grupo de Estudos e Pesquisa em Política Educacional, Ribeirão Preto: USP, 2017. v. I. p. 388-393.

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização, 24a ed. São Paulo: Cortez, 1985.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários á prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. Olho

dágua, São Paulo: 1997. Disponível em:

Acesso 18/08/2013.

KISHIMOTO, Tizuco Morchida. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. São Paulo: Cortez, 2002.

MARQUES, Mario Osorio. A formação do profissional da educação. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1992.

NÓVOA, Antonio. Imagens do futuro professor. Lisboa.ISBN.2009.

OLIVEIRA, Vera Barros de (org). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione, 1997.

PINTO, Álvaro Vieira. Sete Lições Sobre Educação de adultos. Cortez, 1909.

Revista Maringá Ensina no 10 – fevereiro/abril 2009. A importância da formação lúdica para professores de educação infantil. Rúbia Renata das Neves Gonzaga. (p. 36-39).

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

VYGOTSKY, L.S; LURIA, A.R. & LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

ZANLUCHI, Fernando Barroco. O brincar e o criar: as relações entre atividade lúdica, desenvolvimento da criatividade e Educação. Londrina: O autor, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .